"REPARTIR COM OS DEMAIS POVOS O QUE TEMOS RECEBIDO COM FARTURA É O QUE DEUS ESPERA DE CADA UM, ESPECIALMENTE SE CONSIDERARMOS QUE ELE NOS ABENÇOA PARA QUE OUTROS TAMBÉM SEJAM ABENÇOADOS POR MEIO DAS BÊNÇÃOS QUE TEMOS ALCANÇADOS."

domingo, 22 de agosto de 2010

BALI A MAIS CHARMOSA ILHA INDONÉSIA





Bali é uma das 13.667 ilhas da Indonésia, bem como uma província daquele país. Integrante das Pequenas Ilhas de Sonda, encontra-se entre as ilhas de Java, a oeste, e Lombok, a leste. A capital provincial é Denpasar.

A ilha abriga a quase totalidade da pequena população hindu da Indonésia e é o principal destino turístico do país. É conhecida pelas suas manifestações culturais, como a dança, a escultura, a pintura, o trabalho em couro e metais e a música.

Faz parte de um arquipélago com quinhentas e quarenta e sete ilhas distribuidas em nove grandes grupos.

Macacos são considerados animais sagrados para os balineses, mas tome cuidado com os dóceis animais, pois a qualquer momento eles podem roubar seus óculos ou boné. Por isso, é necessário deixar os acessórios do lado de fora do templo. Para poder entrar nos locais sagrados de Bali, homens e mulheres precisam vestir saia. Caso não esteja com a roupa adequada, não há problemas. Os balineses se encarregam em colocar em você um belo sarongue (canga) rox


VISITA AO TEMPLO DOS MACACOS




População
Bali é densamente povoada com aproximadamente 2,9 milhões de pessoas (censo 95) em uma área de 5620 km quadrados. A grande maioria é de origem balinesa (95%), com uma pequena minoria de javaneses. O povo balinês é da raça malaia, descendentes de grupos que emigraram do sudoeste da China há 5.000 anos atrás. Apesar de existir o sistema de castas, ele não é tão implementado como na Índia.

Geografia
Bali é extremamente montanhosa com picos chegando a 3.000 metros. A maior parte das montanhas são vulcões, alguns deles ativos. O ponto mais alto da ilha é o Vulcão Gunung Agung (3140 metros), o lugar mais sagrado da ilha, a morada dos deuses. A sua última erupção foi em 1963, matando milhares de pessoas. Por outro lado, esses mesmos vulcões que trazem a grande fertilidade à ilha. O rico solo, associado com um eficientíssimo sistema de irrigação, faz de Bali um dos lugares com maior produtividade no cultivo de arroz.





A parte leste e, principalmente, a parte central são muito mais férteis do que a parte oeste, onde se encontra o maior parque nacional da ilha, o Parque Bali Barat.

Língua
A língua original de Bali, Bahasa Bali, é falada por todos os balineses e é, na realidade, três diferentes línguas que são faladas de acordo com a casta de quem está falando. Então, uma conversa entre duas pessoas de castas diferentes pode ser feita usando-se duas línguas completamente diferentes!! Além do Bahasa Bali, também o Bahasa Indonesia é falado por quase todos os habitantes de Bali. Nas áreas mais turísticas, o inglês é bastante comum.

A arte e a religião no dia-a-dia do povo balinês

Banhada pelo Oceano Índico, Bali é uma das 13.667 ilhas da Indonésia, o maior país muçulmano do mundo. Esta realidade faz de Bali uma ilha não só em termos geográficos mas igualmente em termos religiosos e culturais, uma vez que a população é na sua esmagadora maioria de religião Hindu. Trata-se, contudo, de uma forma de hinduismo bastante diferente da praticada na Índia. Fruto do seu isolamento secular, as tradições locais foram divergindo do cerimonial praticado no sub-continente. Manteve-se o estudo e culto dos textos védicos, divergindo contudo na diferente importância dada a certas passagens e personagens. No hinduismo balinês destaca-se em particular o relevo dado ao livro sagrado Ramayana e, nele, à personagem da ave mítica Garuda, no dorso da qual Shiva voa pelos céus. É este animal mitológico que dá nome, aliás, à companhia aérea de bandeira da Indonésia.
A arte e o artesanato da ilha são conhecidos em todo o mundo pela sua graciosidade e beleza naturais, despojamento de artifícios e um bom gosto intrinsecamente popular. A dança, a pintura, a escultura são manifestações diretas e quotidianas da alma do povo balinês. A arte não é, em geral, um oficio exclusivo de uns poucos, mas algo que é praticado por todos, quase sem exceção, nos tempos livres deixados pelo cultivo dos campos de arroz ou de outras atividades necessárias para a subsistência. Quanto ao arroz, um cereal central na dieta e cultura dos balineses, de referir que a ilha é o único local do mundo onde são extraídas 3 colheitas anuais daquele produto agrícola, graças à fertilidade do solo e a técnicas de cultivo desenvolvidas e aperfeiçoadas ao longo de séculos. Os socalcos verdes de Ubud, no interior da ilha, com a luz do sol refletida na água dos arrozais, são uma imagem que fica na retina de qualquer visitante.
A enorme maioria dos balineses é hindu, embora o hinduísmo praticado em Bali seja completamente diferente daquele praticado na Índia. Como na época da chegada do hinduísmo em Bali já existisse uma religião animista sendo praticada, com o passar do tempo uma nova religião se criou, assimilando elementos de ambas. Assim como na Índia, existe uma trindade de deuses principais - Braman, Shiva e Vishnu -, embora deuses locais também tenham importância considerável. Os balineses acreditam que existem espíritos em todos os lugares e, por isso eles colocam oferendas todas as manhãs nos templos e na frente de todas as casas.



O hinduísmo é a terceira religião com mais seguidores no mundo, após o cristianismo e o islamismo. Ele é totalmente diferente de todas as outras, na medida que não tem um fundador e não segue uma hierarquia, não tem uma autoridade central. Você não se converte ao hinduísmo, você nasce hindu. Nesse sentido, não existe proselitismo. Dentro do hinduísmo existem inúmeras correntes e a religião pode ser considerada politeísma, monoteísta e até ateísta dependendo da forma como se encara sua enorme gama de interpretações. Tradicionalmente são descritos 330 milhões de deuses, mas esses podem ser vistos como diferentes manifestações do ser supremo. Sua popularidade e importância tem variado durante a longa história dessa religião e a trindade pricipal hoje não era tão cultuada há 2.000 anos atrás.

Economia
A economia de Bali é basicamente agrária sendo que este setor contribui para 40% da economia. O arroz é o principal produto agrícola como qualquer um que viaje por Bali irá notar com a profusão de lindíssimos campos de arroz em terraços. O turismo é outro produto de importância fundamental para a economia local contribuindo com um terço da economia. A renda per capita da ilha é de US$ 967/ano.

Clima
Bali, como outros países da região, tem regime de monção com fortes chuvas de novembro a março. Como se situa a meros 8 graus ao sul do equador, Bali tem somente duas estações: quente e seca e quente e chuvosa. A média de temperatura durante o ano tem uma variação de apenas 2 graus!



Dados oficiais 1998

Nome oficial: República da Indonésia

Capital: Jacarta

Idioma: Indonésio (oficial)

Religiões:
Islamismo(87%),
Cristianismo(9,6%),
Hinduísmo(1,8%),
Budismo(1%)

Moeda: Rupia

Área: 1.948.732 Km quadrados

População: 203.500.000

Expectativa de vida: 63(homens) 67(mulheres)

Mortalidade infantil: 51 para cada 1000

Analfabetismo: 16,2%

Governo: República presidencialista

Chefe de estado: Presidente Abdurrahman Wahid

Ranking mundial de economia: 28*

Agricultura: arroz, mandioca, milho, látex

Pecuária: bovinos, aves, caprinos

Indústria: refino de petróleo, química, alimentícia

Exportação: 51 bilhões

Importação: 53 bilhões

Renda per capita: US$ 980/ano

Desemprego: subemprego generalizado

Eletricidade: 220V, 50 MH

Fuso horário: Java: GMT + 7 horas, Bali: GMT + 8 horas

Número de turistas: Indonésia 4 milhões por ano


Um pouco da história

Influência Hindu

Muito pouco é sabido da pré-história de Bali, sendo que os achados de fósseis humanos mais antigos datam de 250.000 anos atrás. Também temos pouquíssima informação sobre o período em que os comerciantes indianos levaram o Hinduísmo para o arquipélago indonesiano.
A influência hindu de Java começa a se tornar marcante em Bali com o reino do Rei Airlangaa, de 1019 a 1042. Com a mudança de sua mãe para Bali, forma-se um vínculo importante entre Java e Bali. Depois da morte de Airlangaa, Bali volta a se tornar razoavelmente independente até 1284, quando Bali é invadida pelo Rei Kertanagara de Java. Essa situação se mantém até o começo da invasão muçulmana a Java, ocasionando o colapso da dinastia regente. Com a queda da dinastia Majapahit, muito da sua inteligentsia foge para Bali e a ilha vive uma era de intensa atividade cultural e artística.




Contato com os Europeus

Acredita-se que Marco Polo visitou o arquipélago indonesiano em 1292, mas os primeiros europeus a se estabelecerem na região foram os portugueses em 1512 nas Molucas. Os primeiros europeus a visitarem Bali foram os holandeses em 1597 e tal era a beleza do lugar que, ao zarpar, vários membros da tripulação resolveram ficar em Bali. Durante o século XVII os holandeses tinham um firme controle do comércio de especiarias.
A partir de 1710 começou a aumentar o descontentamento dos balineses com a presença holandesa. A situação foi gradualmente deteriorando e a presença militar holandesa se torna cada vez maior até que, em 1906, os holandeses bombardeiam Denpasar e os príncipes locais, se vendo na iminência da inevitável derrota, escolhem o Puputan, suicídio coletivo, ao invés do humilhante desterro. Quatro mil balineses morrem.
Para o povo, muito pouca diferença acontece com a mudança de poder dos rajas para os holandeses. Os colonizadores não estavam interessados na cultura, mas em lucros, e não interferiram muito com o dia-a-dia de Bali. Nos anos 30, os primeiros turistas começam a chegar a bordo de navios holandeses e aí começa a fama de Bali como paraíso tropical.
Os holandeses não retêm o poder por muito tempo. Após o ataque a Pearl Harbour, a Indonésia é conquistada pelos japoneses.


Independência
Em 7 de agosto de 1945 Sukarno declara a independência da Indonésia mas demoraria ainda outros 4 anos até que a Holanda se convencesse de que havia perdido sua colônia. O mandato do primeiro presidente foi bastante conturbado, incluindo um conflito armado com a Inglaterra.
Em 30 de setembro de 1965 uma tentativa de golpe, onde se culpou os comunistas, levou à queda de Sukarno e a subida ao poder do General Suharto, que governaria o país pelos próximos 34 anos. A caça aos comunistas que se seguiu foi extremamente violenta, particularmente em Bali, onde, de uma população de 2 milhões de habitantes, 100.000 pessoas foram mortas.

Durante o governo de Suharto a Indonésia se desenvolveu de maneira acelerada às custas de um tolhimento das liberdades democráticas. O partido dominante Golkar manteve o poder com o banimento de outros partidos e manipulação do poder. Essa situação se manteve até 1998, quando a crise econômica no sudoeste asiático e a situação do Timor Leste aumentaram o descontentamento e forçaram Suharto a convocar as primeiras eleições democráticas do país. Apesar das expectativas de que Megawati, a filha de Sukarno, fosse ser eleita, ela acabou ficando como vice-presidente de Abdurrahman Wahid, mais conhecido como Gus Dur, um líder muçulmano moderado.

Em Bali, durante esses anos de independência, houve um aumento significativo do turismo, que trouxe uma grande prosperidade para a ilha.


Viajando em Bali

Dinheiro
A moeda é a rupia indonesiana e no momento (11/99) sua cotação contra o dólar americano é 1US = R$ 5.000 (a moeda flutua bastante). Cartões de crédito são pouco usados, a não ser em lojas maiores, de modo que o ideal é usar travelers checks ou cash. Travelers checks podem ser trocados na maioria dos hotéis onde nos hospedamos, sendo que existem inúmeras lojas de câmbio por toda a ilha. Só é possível retirar dinheiro com cartões de crédito nas cidades maiores. Não existe câmbio negro, mas os preços variam de lugar para lugar. Se você quiser explorar as cidades sozinho, provavelmente necessitará usar algum transporte. Táxis e ?transport?, camionetas que fazem percursos fixos mas podem ser alugados como taxis, são os meios de transporte mais comuns. O preço deve ser combinado com antecedência e deve ser barganhado. Pergunte na recepção do hotel quanto custa o percurso que você está planejando fazer para ter uma idéia do preço justo. Não se esqueça de levar sempre consigo um cartão do hotel consigo com o endereço e telefone.

Higiene
O padrão de higiene em Bali é bastante razoável e a chance de ficar doente com comidas ou bebidas é muito pequena. Apesar disso recomendamos o uso de água mineral ou refrigerantes. Converse com seu médico sobre vacinação contra Hepatite A e Febre Tifóide.



Interagindo
Os balineses são extremamente receptivos aos turistas e adoram conversar e trocar informações. Apesar do grande número de turistas que visita Bali, você ainda se sente bem recebido, especialmente fora da área de Kuta e Sannur. Um povo risonho, bem humorado e com refinado senso estético, os Balineses nos conquistam rapidamente. É claro que em Kuta a situação é diferente, com centenas de vendedores tentando empurrar ?legítimos? relógios Rolex, anéis e massagem. Ah, transport!! Você vai se lembrar dessa palavra por muito tempo....

Comida
A comida local, de um modo geral, é bastante apimentada e o conceito deles de comida não apimentada é um pouco diferente do nosso. Apesar disso, se você gostar de um pouco de pimenta, vai se deliciar com pratos como peixe assado na folha de bananeira ou opor ayam (frango no leite de côco), além dos sempre presentes nasi goreng (arroz frito) e mie goreng (macarrão frito). Se a comida local não lhe apetecer, não se preocupe, na maioria das cidades você vai encontrar grande variedade de comida internacional de excelente qualidade, de comida francesa à comida japonesa.



Barganhando
Como nos outros países da Ásia, barganhar faz parte de toda compra, e em Bali isso é uma arte que, a não ser que queira pagar 10 vezes mais por qualquer coisa, você terá que aprender. Não se preocupe, pois terá muitas oportunidades de treinar. Por isso mesmo, recomendamos que você, nos primeiros dias, não compre. Pergunte, veja os preços e comece a se sentir em casa. Algumas dicas sobre essa refinada arte: nunca demonstre que realmente gostou de alguma coisa que deseja comprar, para cada exclamação tipo "oh, que lindo!", mesmo que seja em português, o preço aumentará em 50%, ofereça ao redor de 50% do preço inicial pedido e chegue a 75% dele, converse com o vendedor a respeito de Bali ou do Brasil, pois o ato de comprar oferece uma ótima oportunidade de entrar em contato com a cultura local, se for um artigo caro, que valha o esforço, deixe a loja, volte mais tarde para ver se consegue chegar ao preço que você quer.



Gorjeta
Nos restaurantes 10% é esperado. Nos hotéis, R 1000 rupias para os meninos que ajudam a levar as malas é suficiente.

Segurança
Você vai se sentir extremamente seguro em Bali e os incidentes de violência envolvendo turistas são extremamente raros. Apesar disso, recomendamos não deixar dinheiro no quarto do hotel, a não ser que fique trancado dentro na mala. A maioria dos hotéis oferece cofres na recepção gratuitamente.


Etiqueta
Como em outros países hindus, a cabeça é considerada a parte mais nobre do corpo e não é considerado apropriado tocar a cabeça de outra pessoa. Também se espera que você tire os sapatos antes de entrar na casa de alguém. O cumprimento de mão é bem aceito tanto para homens quanto para mulheres.


Etiqueta para visitar os templos

Você deve estar vestido adequadamente e, para os balineses, isso significa cobrir as pernas, de preferência usando um sarong, mas calças compridas também são aceitas. Além disso, você deve usar um selandong, uma faixa amarrada na cintura que pode ser comprada nos mercados ou lojas de sarong. Não é necessário tirar os sapatos para entrar nos templos.









3 comentários:

  1. UM ESPETÁCULO !!!!!!!
    LI TUDO E ASSISTI. AMEI TENHO VONTADE DE CONHECER LUGARES EXÓTICOS ASIÁTICOS.
    GOSTO MUITO DAS MELODIAS.

    MUITO OBRIGADA
    UM FORTE ABRAÇO.
    JOELMA PALMA

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo conteúdo do seu BLOG.
    Vou gravar no meus favoritos :)

    Simone B.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante, faça-o aquí.