"REPARTIR COM OS DEMAIS POVOS O QUE TEMOS RECEBIDO COM FARTURA É O QUE DEUS ESPERA DE CADA UM, ESPECIALMENTE SE CONSIDERARMOS QUE ELE NOS ABENÇOA PARA QUE OUTROS TAMBÉM SEJAM ABENÇOADOS POR MEIO DAS BÊNÇÃOS QUE TEMOS ALCANÇADOS."

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

O EXTRAVAGANTE POVO MURSI E SUAS TRANSFORMAÇÕES CORPORAIS

CONHEÇA NESTE VIDEO O POVO MURSI



Na minha busca por mais conhecimento sobre os adornos corporais e suas origens, eis que um dia me deparo com mulheres, que para sua própria sobrevivência, deformavam seus lábios, as mulheres que pertencem ao povo chamado Mursi, grupo étnico ainda muito primitivo, composto de 4 a 5 mil indivíduos, localizado no sudoeste da Etiópia, na região do Rio Omo. Esta tribo da Etiópia é uma das mais agressivas que existem. Os guerreiros tribais andam sempre armados e os que não conseguem armas de fogo carregam um pedaço de pau para demonstrar sua liderança.


Antes de qualquer crítica devemos lembrar que aos olhos de qualquer Mursi deve parecer loucura se submeter a cirurgias estéticas, a rigorosas dietas, tudo em nome da beleza.

As mulheres Mursi são famosas por colocar, desde pequenas, um disco no lóbulo de suas orelhas ou de seu lábio inferior. Conforme passam os anos, mudam o disco por um maior até que a deformação seja muito grande. Ainda que em muitos paises isto poderia ser considerado uma loucura, nessa tribo é um símbolo de beleza.







A mulher Mursi era a preferida dos mercadores de escravos. Para encontrar um modo de salvar as mulheres, os Mursi impuseram a perfuração do lábio, uma vez que assim deformadas perderiam o valor. Com o passar do tempo, os homens da tribo não só se habituaram à deformação da companheira, como passaram a admirar o seu novo visual, a tal ponto de considerar o procedimento um indispensável fascínio feminino.





A operação é efetuada no início da puberdade, por volta dos 9 anos de idade. O lábio inferior é furado com uma ponta metálica e é colocado um cilindro de madeira para impedir que o músculo se feche durante o processo de cicatrização, que demora 6a 8 semanas. Nos meses seguintes alarga-se cada vez mais o buraco, substituindo-se progressivamente o primeiro cilindro de madeira por outro de diâmetro maior, para que se possa introduzir neste espaço o prato labial feito de argila que, depois de muitos anos, pode atingir 20 a 22 mm de diâmetro. As mulheres mais atraentes, são as que têm um lábio mais largo...





Outro aspecto devastador desta prática é a remoção dos dentes incisivos. A extração desses dentes é necessária por dois motivos: para favorecer o encaixe do prato, já que o espaço útil é aumentado no interior da cavidade bucal e, sobretudo, para evitar o contacto dos dentes de cima com o corpo estranho.

Veja este video. Eles também precisam de Jesus.



Esta prática provoca nas mulheres graves problemas na fala, com relativa distorção da linguagem, impedindo também a execução das mais elementares atividades fisiológicas, como comer e beber.

Veja neste video a dificuldade que as mulheres apresentam para beber e se alimentar.



Com exceção das mulheres idosas, dificilmente se vê uma Mursi sem o prato labial, pois é considerado um gesto descortês e mal-educado apresentar-se em público com os “lábios vazios”, sobretudo diante de estranhos.





Com o tempo, os homens da tribo não só se acostumaram com a nova aparência das mulheres, como passaram a valorizar tanto o adorno, tornando-o indispensável, um charme feminino para eles.

Veja este video sobre o Povo Mursi


Um comentário:

Seu comentário é muito importante, faça-o aquí.