"REPARTIR COM OS DEMAIS POVOS O QUE TEMOS RECEBIDO COM FARTURA É O QUE DEUS ESPERA DE CADA UM, ESPECIALMENTE SE CONSIDERARMOS QUE ELE NOS ABENÇOA PARA QUE OUTROS TAMBÉM SEJAM ABENÇOADOS POR MEIO DAS BÊNÇÃOS QUE TEMOS ALCANÇADOS."

terça-feira, 12 de outubro de 2010

As tribos nômades do vale do rio Omo


Os Mursi são um povo semi-nômade. São compelidos a se deslocar em função da busca de pastagens para o seu gado ou quando pressionados por outros grupos.

Os instrumentos utilizados por eles não passam de clavas, martelos e pilões de pedra. Dispõem apenas de toscos machados de metal e não conhecem armas de fogo. Aparentemente, trata-se do grupo do vale do rio Omo que menos mantém contato com o mundo civilizado.

Os homens utilizam poucos enfeites, mas em alguns casos, portam braceletes de marfim e sinetas nos tornozelos.

As mulheres usam roupas de couro animal com desenhos geométricos estampados a fogo. Apresentam um dos seios à mostra, de onde parte uma tatuagem que sobe até o ombro e metade do braço.

O que caracteriza a mulher Mursi é a colocação de um adorno circular de madeira ou cerâmica no lábio inferior, substituído de tempo em tempo para dilatá-lo. A operação para esta prática exige a extração dos quatro dentes incisivos superiores.

Não existem explicações definitivas para esta prática. Pode estar relacionada com o casamento, e até como medida preventiva contra o tráfico de escravas, prática corrente na região.














A tribo Mursi da Etiópia é uma das mais inusuais e agressivas que existem. Todos os homens carregam Kalashnikovs que conseguem ilegalmente nas fronteiras do país. Os guerreiros tribais que não conseguem armas de fogo carregam um pedaço de pau para demonstrar sua liderança.
As mulheres Mursi são famosas por colocar, desde pequenas, um disco no lóbulo de suas orelhas ou de seu lábio inferior. Conforme passam os anos, mudam o disco por um maior até que a deformação seja muito grande. Ainda que em muitos paises isto poderia ser considerado uma loucura, nessa tribo é um símbolo de beleza.
Antes de qualquer crítica devemos lembrar que aos olhos de qualquer Mursi deve parecer loucura se submeter a cirurgias estéticas, a rigorosas dietas, tudo em nome da beleza.











A tribu Mursi, habitantes do Vale do Rio Omo, na Etiópia. é a tribo mais agressiva que da Etiópia.
Agressivo na maneira de dizer, porque eles avistam os turistas, só pensam no dinheiro que podem obter. O mais estranho é que eles pedem uma taxa para estacionar o carro (20 euros!) À entrada da vila!
Eles usam as presas de porcos silvestres como uma decoração. o principal problema é que eles tendem a usar mais e mais coisas na decoração corporal para atrair fotógrafos! Mas no final, essas tribos realmente vivem como nos tempos primitivos.
7 000 turistas visitam o mursis cada ano.







Na tribu Mursi uma mulher com seu prato gigante de lábios é um sinal de beleza na Quando eles estão prontos para se casar, eles começam a fazer um buraco no lábio com um pedaço de madeira.
Ele será mantido por uma noite, e é removido para colocar uma maior. Isso é muito doloroso nessa época ... Poucos meses depois, a placa lábio tem o seu tamanho real, e a menina é vista como bonita pelos homens.
O prato labial feito de madeira ou terracota, e eles têm de remover os incisivos inferiores para deixar algum espaço para o disco. É incrível vê-los falar sem problemas, colocá-lo e removê-lo como uma jóia clássica.
Às vezes, o lábio é quebrado pela pressão da placa lábio. Este é um problema muito grande para a menina porque os homens se considerá-la como feia, ela não será capaz de se casar com alguém da tribo além dos velhos e os doentes ...
As mulheres são raspadas, como os homens, porque eles odeiam pilosidade
!














12 comentários:

  1. nunca vi coisa feia como esssa!!!! na verdade essa não é nada de inteligencia, só pertence há um grupo de doidos.
    estraga a vida de uma criança por uma besteira.

    ResponderExcluir
  2. ISSO É UMA TRADIÇAO COMO NÓS TEMOS A NOSSA ENTAO NAUM JULGUE

    ResponderExcluir
  3. "O homem é a medida de todas as coisas" - Protágoras de Abdera.

    Não existem verdades absolutas. As leis, a moral, as verdades, tudo é relativo ao ponto de vista dos homens, ou devo dizer da assembléia de homens que, por sua posição de poder, determinam as regras que os outros devem seguir. Em outros lugares as regras serão distintas, pois estarão atreladas à natureza cultural distinta daquele lugar. Querer julgar quais regras estão certas e quais estão erradas, é cúmulo da imbecilidade. Ambas estão corretas dentro do universo à que pertencem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns Raziel, o seu comentário foi o único louvável.

      Excluir
    2. Parabéns Raziel, seu comentário foi o único que se aproximou do que acabamos de visualizar acima, um povo com seus costumes!

      Excluir
    3. Parabéns Raziel, o seu comentário foi o único louvável.

      Excluir
  4. Achei feio demais,mas a cada lugar a sua cultura..

    ResponderExcluir
  5. Cada um com sua cultura, mas para a minha, isso é muito feio.

    ResponderExcluir
  6. Cada um com a sua cultura e todo o respeito para a escolha só para a minha isso é muito feio.

    ResponderExcluir
  7. isso e feio mas cada um e um - como disse alguém.
    cada homen e uma raca.

    ResponderExcluir
  8. Os hábitos do homem estão arraigados em sua cultura, e não se pode muda-los, em função de terceiros.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante, faça-o aquí.