"REPARTIR COM OS DEMAIS POVOS O QUE TEMOS RECEBIDO COM FARTURA É O QUE DEUS ESPERA DE CADA UM, ESPECIALMENTE SE CONSIDERARMOS QUE ELE NOS ABENÇOA PARA QUE OUTROS TAMBÉM SEJAM ABENÇOADOS POR MEIO DAS BÊNÇÃOS QUE TEMOS ALCANÇADOS."

terça-feira, 30 de novembro de 2010

CURIOSIDADES SOBRE A REPUBLICA DO MALI

Mali, cujo nome oficial é República do Mali, é um país africano sem saída para o mar na África Ocidental. Mali é o sétimo maior país da África. Limita-se com sete países, a norte pela Argélia, a leste pelo Níger, a oeste pela Mauritânia e Senegal e ao sul pela Costa do Marfim, Guiné e Burkina Fasso. Seu tamanho é de 1.240.000 km². Sua população é estimada em cerca de 12 milhões de habitantes. Sua capital é Bamako.

Formada por 8 regiões, o Mali tem fronteiras ao norte, no meio ao Deserto do Saara, enquanto a região sul, onde vive a maioria de seus habitantes, está próximo aos rios Níger e Senegal. Alguns dos recursos naturais em Mali são o ouro, o urânio e o sal.

O atual território do Mali foi sede de três impérios da África Ocidental que controlava o comércio transaariano: o Império Gana, o Império Mali (que deu o nome de Mali ao país), e o Império Songhai. No final do século XIX, Mali ficou sob o controle da França, tornando-se parte do Sudão francês. Em 1960, Mali conquistou a independência, juntamente com o Senegal, tornando-se a Federação do Mali. Um ano mais tarde, a Federação do Mali se dividiu em dois países: Mali e Senegal. Depois de um tempo em que havia apenas um partido político, um golpe em 1991 levou à escritura de uma nova Constituição e à criação do Mali como uma nação democrática, com um sistema pluripartidário. Quase a metade de sua população vive abaixo da linha de pobreza, com menos de 1 dólar por dia.

GEOGRAFIA
O Mali é um país sem saída para o mar, situado na África Ocidental, a sudoeste da Argélia. Com uma área de 1.240.000 milhões de quilômetros quadrados, Mali é o 23º maior país do mundo, e seu tamanho é semelhante ao da África do Sul e da Angola. Possui 7.243 quilômetros de fronteiras com os sete países que limita. A maior parte do país forma parte do sul do Deserto do Saara, por isso o clima é quente e, comumente, tempestades de poeira se formam durante secas. O território do Mali é essencialmente plano, ainda que esta é uma rota em ocasiões por colinas rochosas. O Adrar des Ifoghas está localizado no nordeste, e as maiores altitudes são as Montanhas Hombori, que ultrapassam a altitude de 1000 metros ao sudeste, e as Montanhas Bambouk a sudoeste.

Os recursos naturais do país são consideráveis. O ouro, o urânio, o fosfato, o caulim, o sal e o calcário são os recursos mais explorados. Mali está a enfrentar problemas ambientais, como desertificação, o desmatamento, a erosão do solo e a contaminação da água.

Religião
Aproximadamente 90% dos malienses são muçulmanos e a maioria destes são sunitas. 5% da população é cristã (dois terços do Igreja Católica e o resto protestante), os restantes 5% correspondem a crenças animistas tradicionais ou indígenas. O ateísmo e agnosticismo não são muito comuns entre os malienses, a maioria de quem pratica sua religião diariamente.

Segundo o relatório anual Departamento de Estado estadunidense, sobre a liberdade religiosa, o Islã é praticado em Mali, que pode ser considerado um moderado, tolerante e adaptado às condições locais. As mulheres participam na vida político-socioeconômica, e geralmente não usam véus. A Constituição estabelece que Mali seja um Estado laico e fornece liberdade religiosa. E o governo respeita amplamente esse direito. As relações entre muçulmanos e praticantes das minorias religiosas podem ser considerada amigáveis, e os grupos missionários estrangeiros (ambos muçulmanos e não muçulmanos) são toleráveis.





POLITICA E GOVERNO
Mali é uma democracia constitucional regida pela constituição de 12 de janeiro de 1992, que foi revista em 1999. A constituição prevê a separação entre os poderes executivo, legislativo e judiciário. O sistema de governo pode ser descrito como "semipresidencialista".

O poder executivo é representado pelo presidente, que tem um prazo de 5 anos e está limitada a dois mandatos. O presidente é também o chefe de estado e o comandante. O primeiro-ministro é nomeado pelo presidente e atua como chefe de governo que, por sua vez, nomeia os membros do Conselho de Ministros. A Assembleia Nacional unicameral é o único órgão legislativo do Mali e é composta de deputados eleitos para um mandato de 5 anos. Após as eleições de 2007, a Aliança para a Democracia e Progresso ganhou 113 dos 160 assentos na assembleia. A assembleia tem duas sessões ordinárias por ano, durante os quais se discutem e votam as leis feitas por um membro ou pelo governo.

A Constituição de Mali prevê a independência jurídica, mas o Poder Executivo exerce influência sobre o Judiciário sob o seu poder de nomear juízes e supervisionar tanto as funções judiciais como a sua aplicação em lei. Os tribunais do Mali de maior hierarquia são o Tribunal Supremo, que tem competências judiciais e administrativas, e um Tribunal Constitucional independente que proporciona controle jurisdicial de atos legislativos e serve como um árbitro eleitoral. Existem vários tribunais menores, ainda que os chefes de aldeia e anciãos são responsáveis por resolver os conflitos sobre a aldeia local.






CULTURA
Mali tem tradições musicais derivam de griots (ou Djeli), conhecida como "Guardiões da Memória", exercendo a função de transmitir a história de seu país. A música do Mali é bastante diversificada e tem diferentes gêneros. Alguns músicos são influentes, como Toumani Diabate, intérprete de kora, o guitarrista Ali Farka Toure, que combinava música tradicional de Mali com o blues. O grupo de música tuaregue chamou Tinariwen e artistas como Afropop Salif Keita, a dupla Amadou & Mariam, Oumou Sangaré e Habib Koité, etc.

Embora a literatura deste país seja menos conhecida do que sua música, Mali sempre foi um dos centros mais ativos de intelectuais da África. Sua tradição literária está contida principalmente por via oral, com Khalis recitando ou cantando histórias de memória. Hampâté Amadou Bâ, historiador maliense mais conhecido, passou grande parte de sua vida a escrever estas histórias para o mundo a conservar. O melhor e mais conhecido romance de um autor de Mali é Le Devoir de violence, escrito por Ouologuem Yambo, que venceu em 1968 o Prêmio Renaudot, mas seu legado foi danificado por acusações de plágio. Outros escritores são conhecidos Baba Traoré, Modibo Keita Sounkalo, Massa Makan Diabaté, Moussa Konate e Fily Dabo Sissoko.

A cultura variada diária dos maliense reflete a diversidade étnico-geográfica do país. A maioria de seus habitantes usa trajes coloridos e fluidos chamado boubou, que são típicas de África Ocidental. Malienses participam frequentemente em festas, bailes e festas tradicionais. O arroz e milho são importantes na cozinha do pais, que é baseado principalmente em grãos de cereais. Os grãos são geralmente preparados com molhos feitos de folhas, como o espinafre, com tomate ou molho de amendoim, e pode ser acompanhada de carne grelhada (normalmente frango, cordeiro, vaca e cabra). A cozinha de Mali varia regionalmente.






POVOS ONDE O TRABALHO PIONEIRO FOI ESTABELECIDO, e que requerem oração:
a) Os Bambara são um povo-chave para a evangelização do país. Várias organizações missionárias trabalham entre os bambara com crentes em quase todas as denominações. Pequenas vitórias estão sendo conquistadas no evangelismo, mas nenhuma grande ruptura. Ore pelo crescimento espiritual e numérico da igreja entre este povo estratégico.
b) Os Fulbe estão espalhados por todo Mali, mas com grandes concentrações no sul, centro e noroeste. Diversos grupos de crentes estão sendo discipulados pela CRSWM/WEC. Pioneiros e Luteranos Noruegueses.
c) Os Fulanke e Kasonke, apesar de serem etnicamente fulbe, falam malinkê, e os wassulunke falam bambara, o que salienta a necessidade de estratégias diferentes de plantação de igrejas. Destes, somente os Kasonke estão sendo alcançados. (Luteranos Noruegueses).
d) Povos sem nenhum cristão e nenhum obreiro estabelecido: maure, ljalunke, kagoro, tukulor, wolof, etc.
e) Povos em que o trabalho ainda está na sua fase incial: bozo, gana, duun, maninka, marka, jotoni e sominke. Varias agencias estão ministrando a estes povos, mas na maioria existem apenas alguns crentes.





16 comentários:

  1. um pais muito pobre,deve melhorar muito.

    ResponderExcluir
  2. DAHANA TAILA E JULIA26 de outubro de 2011 10:19

    Nossa da para ver que o povo de la é muito pobre

    ResponderExcluir
  3. DAHANA TAILA E JULIA26 de outubro de 2011 10:21

    Nossa deu para ver que o povo de mali é muito póbre

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito desse trabalho, tem coisas muito interessante e mostra muito bem o povo maliense.
    Parabéns...

    ResponderExcluir
  5. Que tristeza se eu pudesse eu tirava todas aquelas pessoas da miséria.

    ResponderExcluir
  6. nossa qui coisa triste si eu pudese eu tambem ajudava mais ñ tenmho tamta condição assim

    ResponderExcluir
  7. nossa tudo que pensarmos fazer para amenizar a pobreza deste povo é pouco e insufisiente, só a intervenção de Deus em suas vidas mudará a situação deles. Portanto só nos resta orar par que Deus mude a sorte deste povo.

    ResponderExcluir
  8. Adorei bom para o meu trabalho!

    ResponderExcluir
  9. muito bom o trabalho me ajudou muito

    ResponderExcluir
  10. Muito bom. Ajudou muito para o meu trabalho de História

    ResponderExcluir
  11. bom mesmo to apresentando um trabalho tmb

    ResponderExcluir
  12. Mais de cem anos de colonização francesa é um dos fatores da pobreze malinense, necessário que os ex-colonizadores e o governos locais se empenhem no intuito de sanar os maleficios causados pelo sangramento das riquezas naturais do pais. Não basta somente o "fraterno" intento de religiosos de quaisquer matizes para lá praticarem os seus atos "samaritanos" ! Urgente o resgate da dignidade dos povos oprimidos !

    ResponderExcluir
  13. Gostaria de visitar o país, tem mais dicas de saúde?

    ResponderExcluir
  14. Aprende a escrever.
    Antes de ficar na internet, vai pro reforço de português!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante, faça-o aquí.