"REPARTIR COM OS DEMAIS POVOS O QUE TEMOS RECEBIDO COM FARTURA É O QUE DEUS ESPERA DE CADA UM, ESPECIALMENTE SE CONSIDERARMOS QUE ELE NOS ABENÇOA PARA QUE OUTROS TAMBÉM SEJAM ABENÇOADOS POR MEIO DAS BÊNÇÃOS QUE TEMOS ALCANÇADOS."

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

SETE BILHÕES DE HABITANTES NA TpERRA

Pequena filipina simboliza o ser humano de número 7 bilhões

ONU elegeu filipina para simbolizar a marca, disputada por vários países. Danila Camacho nasceu em hospital público de Manila.


A Ásia, onde vivem dois terços da população mundial, recebeu simbolicamente o ser humano de número 7 bilhões, uma pequena filipina de nome Danica cujo nascimento foi celebrado em Manila e ilustra os desafios planetários de crescimento demográfico. O planeta atingiu a população de seis bilhões em 1999. Na ocasião, a ONU escolheu Adnan Nevic, um menino nascido em Sarajevo, como representante simbólico da marca. Desta vez, a ONU optou por não designar nenhuma criança com antecedência e vários países pretendiam reivindicar a efeméride. Danica May Camacho, nascida no domingo, dois minutos antes da meia-noite, no José Fabella Memorial Hospital, um centro público da capital filipina, tem 2,5 quilos. Seus pais, Florante Camacho e Camille Dalura, foram felicitados por representantes das Nações Unidas. "É muito bonita. Não posso acreditar que seja a habitante sete bilhões do planeta", comentou emocionada Camille Dalura na sala de partos, invadida pela imprensa. Danica receberá uma bolsa de estudos e seus pais uma quantia em dinheiro para abrir uma loja. "O mundo e seus sete bilhões de habitantes formam um conjunto complexo de tendências e paradoxos, mas o crescimento demográfico faz parte das verdades essenciais em escala mundial", declarou a representante do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA) nas Filipinas, Ugochi Daniels.

domingo, 23 de outubro de 2011

SERTÃO NORDESTINO - UM CALDEIRÃO DE IDOLATRIA





“ Para que não vos corrompais e vos façais alguma imagem esculpida na forma de ídolo, [...] semelhança de algum animal que há na terra, semelhança de algum volátil que voa pelos céus” (Deuteronômio 4.16-17). A história que vou narrar é coisa de nordestino escaldado pelo sol, sertanejo trabalhador, gente simples, cabra-da-peste e iludido pela igreja da maioria. Conheço muitas cidades do interior nordestino e a maioria tem uma igreja católica na praça central e um cruzeiro no monte mais alto. É nossa herança portuguesa que vem dos tempos das caravelas. Além dos cruzeiros, visitei nos topos dos montes em Juazeiro do Norte, no Ceará, e Guarabira, na Paraíba, monumentais estátuas, respectivamente do padre Cícero Romão Batista e do frei Damião. Esses homens tornaram-se verdadeiros “santos milagreiros” para os católicos nordestinos. No entanto, o querido pastor Josenildo Virgolino, que tem um ministério em áreas inóspidas do nosso sertão, certa ocasião me falou que deveria conhecer a pequena cidade de Carnaúba dos Dantas, no Rio Grande do Norte, pois lá os potiguares adoravam algo diferente sobre o monte principal – um galo! Fiquei curioso e indaguei: “Ôxente? Adoram um galo?” Pensei com meus botões: isso é coisa mais para a Índia do que para o Brasil. Entrei em devaneio: “Será que temos uma conexão secreta indiana em pleno interior nordestino?”


 





 


 
Passei mais de um ano, sempre que tinha uma folguinha, estudando sobre essa cidade e me programei para conhecer aquela paragem na semana dita “santa” de 2006. No dia programado, imprimi da internet um mapa rodoviário daquela localidade, arrumei minha mochila, sem esquecer de incluir a máquina fotográfica digital do meu filho Renato e fui com Marcos Nunes, um irmão em Cristo, passar três dias na Região do Seridó, conferindo os fatos. Viajamos mais de 500 quilômetros, do Recife a Carnaúba dos Dantas, e nos hospedamos na Pousada Água Doce, oficialmente a única no povoado. A reserva foi feita na base do “deixar recado”, já que a pousada não tem linha telefônica e internet ali é bicho de sete cabeças. Deixei o recado ao telefone da prefeitura, a prefeitura mandou alguém andando até a hospedaria e depois de uma semana liguei novamente para a prefeitura e me confirmaram a reserva de um quarto duplo. Nessas bandas do sertão do Seridó, a palavra do homem ainda vale tanto quanto um documento autenticado em cartório. Tudo saiu a contento. A pousada é um casarão mimoso e aconchegante com sete quartos forrados a gesso. Cada quarto com um ventilador em cima de uma cômoda, com banheiro sem chuveiro elétrico (e quem precisa de água quente nesse sertão?). Nem o calor de lascar, a falta de ar-condicionado e a ausência de frigobar me incomodaram. Estava feliz por estar ali, pois essa hospedagem fica localizada bem aos pés do Monte do Galo, exatamente onde queria estar, no fuzuê da romaria. Carnaúba dos Dantas: sítios arqueológicos com pinturas rupestres e lendas sobre vários montes da região É uma pena que apenas poucos brasileiros conheçam essa região, cercada de serras, ao sul do Rio Grande do Norte, a 227 quilômetros da capital Natal. É uma cidade cercada de uma paisagem encantadora, rica em belezas naturais, com menos de 7.000 habitantes, onde quase todos são parentes e se conhecem bem. O município possui dezenas de sítios arqueológicos catalogados com suas pinturas rupestres e isso tem atraído algumas universidades nordestinas que ali fazem pesquisas. Lá existe a Serra das Rajadas com fontes de água no seu sopé. Conta-se a lenda que um carneiro dourado salta do cume da Serra das Rajadas para a Serra do Marimbondo e que existe um tesouro incrustado na serra. Há também a Pedra do Dinheiro. Diz a lenda que os antigos moradores da região viam, à noite, um carneiro de ouro encantado no topo da Pedra e que ao redor dela há várias botijas de ouro enterradas. Fui até lá, mas devo ter chegado atrasado, pois não encontrei nenhuma botija para levar comigo. No entanto, o monte mais famoso é o antigo “Serrote Grande”, que depois passou a ser chamado “Serrote do Galo” e hoje “Monte do Galo”, com “santuário” fundado em 1927. Conta-se várias histórias sobre esse monte. Uma delas registra que há muito tempo vaqueiros, tropeiros e viajantes que passavam por essas bandas ouviam o estridente canto de um galo vindo do topo do “Serrote Grande”. Isso os deixava assustados, pois ali não havia casas e nem habitantes. Algum tempo depois, pulou uma cabra do cume do Serrote, desaparecida há uma semana, sem sofrer qualquer dano em conseqüência da queda. Essa história do canto do galo e do salto da cabra passaram a disseminar-se pela região e, assim, devotos começaram a considerá-lo um “monte santo”. Uma nova trindade no“santo” Monte do Galo É bom repetir que o nome do monte é do “Galo” e não da “Santa”.




 
Marcos Nunes e eu subimos o monte, juntamente com centenas de romeiros, às 09h20min da manhã ensolarada da sexta-feira da paixão. É uma infra-estrutura bem montada com uma rampa, com piso cimentado, de mais ou menos um quilômetro, que vai tornando-se cada vez mais íngreme à medida que nos aproximamos do topo. Ao longo da rampa, do lado direito ficam as estações da via sacra católica com locais para os fiéis depositarem suas ofertas. Do lado esquerdo, terços, artesanatos, santinhos, blusas, bonés, água mineral, entre outras bugigangas, estão à venda nas barracas. O artesanato mais comum é uma réplica em miniatura do topo do monte, em madeira, com o “Galo”, Jesus crucificado e “Nossa Senhora das Vitórias”: uma nova trindade católica potiguar. Quando a rampa termina, é necessário enfrentar dois lances de escadas com dezenas de degraus (e haja fôlego!) que culminam diante de três estruturas: à nossa esquerda temos Jesus crucificado com “Nossa Senhora das Vitórias” aos seus pés, no centro um cruzeiro e à direita a “gloriosa” estátua do galo branco com crista vermelha. Além dessas estruturas, no cimo do monte existe uma capelinha e a sala dos ex-votos onde os romeiros deixam objetos como agradecimentos pelas bênçãos alcançadas. É esse o principal ponto turístico religioso do Rio Grande do Norte onde anualmente milhares de pessoas vêm pagar promessas e agradecer as bênçãos recebidas. Trata-se de um verdadeiro santuário de romaria dos seridoenses. Observamos muitas pessoas venerando e pagando promessas à “Santa”. O “Galo” tem uma altura mediana de 1,55 metros e está localizado em cima de uma estrutura rochosa alta que apenas pessoas fisicamente bem condicionadas conseguem escalar. Enquanto estivemos no topo do monte, vimos várias pessoas admirando o “Galo”, mas não vimos ninguém adorando-o abertamente, até porque não existe nenhum local onde se possa ficar de joelhos diante do “Galo”. Dá para perceber que toda a romaria gira em torno do “Galo” e do seu monte “santo”. É uma galomania! É como se o “Galo” fosse o ator principal, a “Santa” uma atriz coadjuvante e Jesus apenas um atorzinho figurante. Infelizmente, a veneração e adoração ao “Galo” existem Ao descer o Monte do Galo, entrevistei calmamente, durante os dois dias seguintes, quinze pessoas. Cinco eram líderes católicos: dois casais e uma solteirona, todos com mais de 50 anos de idade. Os outros dez eram evangélicos com menos de 45 anos de idade. Todos subiram, pelo menos algumas vezes, o Monte do Galo. Todos agradeceram a “Santa Nossa Senhora das Vitórias” por bênçãos alcançadas ou pagaram promessas à “Santa”. Apenas um dos quinze pesquisados confessou ter feito também um pedido ao “Galo”. Extrapolando a minha minguada pesquisa para um universo maior, podemos inferir que uma em cada quinze pessoas que sobe o morro faz pedido ao “Galo”. Ou seja, 6,6% dos romeiros locais veneram o “Galo”. Esse percentual, na verdade, deve ser bem maior, uma vez que a veneração e o pedido ao “Galo” não são públicos e, sim, mentais (o romeiro os faz de forma disfarçada, para não ser ridicularizado). Por exemplo: presenciei dezenas de pessoas venerando a “Santa” e dezenas de outras apenas admirando o “Galo”. Não tenho a mínima idéia do que esse segundo grupo pensava enquanto contemplava o “Galo”. Só Deus sabe se estavam ou não venerando-o.




 





Renato José da Silva é natural de Carnaúba dos Dantas, nasceu no dia 19 de abril de 1987 e, como todos os outros entrevistados, é oriundo de uma família tradicionalmente católica. Aos dez anos de idade foi vítima de um traumatismo no olho esquerdo, causado por um guidom de bicicleta. Renato narra que sua mãe (Maria do Socorro da Silva) correu à igreja católica e pediu ao padre que rezasse para que o filho não perdesse a visão. O padre rezou e orientou que o menino Renato deveria subir o monte de joelhos e rezar “cinqüenta ave-marias e cinqüenta padre-nossos”. Ao chegar em casa, sua mãe lhe fez uma mortalha, um tipo de túnica, ele subiu de joelhos até o topo e lá rezou suas cem preces para a “Santa” e para o “Galo”. Insisti, perguntando se foi o padre que orientou a sua mãe a instruí-lo a rezar simultaneamente à “Santa” e ao “Galo”. Ele respondeu que não sabe se foi o padre, mas que ao chegar lá em cima, mentalizou suas preces tanto para a “Santa” como para o “Cocoricó”, e que tinha certeza que rezou a quantidade certinha, pois contou tudo no terço que tinha nas mãos. Perguntei-lhe se solicitou alguma bênção. Renato relatou que, a mando da sua mãe, pediu à “Santa” e ao “Galo” para “abençoar sua família e que nunca permitisse que ele viesse a ingerir bebidas alcoólicas”. No entanto, a “Santa” e a “Ave Galinácea” de concreto são fracos, pois Renato relata que aos 15 anos de idade, enquanto brincava com amigos, tomou um porre que totalizou cinco litros de cachaça em uma só noite. Nem o macho da galinha suportaria uma dose dessas! Renato aceitou Jesus como seu Salvador pessoal há dois anos e está preparando-se e muito desejoso para ser batizado e fazer sua pública profissão de fé na igreja batista local. Hoje, Renato tem 19 anos e é zelador da Pousada Água Doce. Daquele dia patético em que subiu de joelhos o Monte do Galo, guarda para o resto da vida uma cicatriz no joelho direito. Perguntei se estava animado e firme na sua nova fé e prontamente me respondeu: “Em nome de Jesus!” Mais tarde, naquela mesma noite, sentou-se na cadeira ao meu lado no terraço da pousada, enquanto observávamos um toró com relâmpagos e trovões, abriu orgulhosamente sua Bíblia novinha e leu para mim Josué 1.8, que diz: “Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido”. Que Deus te proteja, te abençoe e te conserve no caminho dEle, Renato! Liderança religiosa opina sobre a veneração ao “Galo” Marcos Nunes e eu fomos conhecer a senhora Maria Lúcia de Medeiros, conhecida na cidade como “Taúta”, que completa 70 anos em 2006 e que nos recebeu espontaneamente e de bom grado em sua residência para uma entrevista. Solteirona, simpática, devota de São José (o padroeiro da cidade) e de N. S. das Vitórias (padroeira do monte), auxiliar da pastoral da criança, catequista desde os 13 anos de idade e ministra extraordinária da eucaristia, é uma referência católica na cidade. Impedida pela artrose nos membros inferiores, hoje não consegue mais subir o Monte do Galo para venerar a “Santa”. Perguntei, entre outras coisas, se a igreja católica considerava o “Galo” um santo. Dona “Taúta” assegurou-me: “O lugar do monte é santo, mas o galo não. E a veneração é só a Nossa Senhora das Vitórias”. Perguntei se corrigiria algum romeiro que afirmasse para ela que subiu o monte e venerou a “Santa” e o “Galo”. Respondeu-me: “Se o romeiro tem fé no Galo, tudo bem. Não iria corrigir o romeiro do Galo. Não iria dizer que ele estava errado. Eu respeitaria a fé do romeiro, mesmo não concordando com ela”. Em seguida, fomos até um minúsculo povoado chamado Ermo (nome bastante sugestivo para o local) pertencente a Carnaúba dos Dantas e localizado a dez quilômetros de distância. No Ermo quase não existe asfalto nem pressa, as pessoas têm uma prosa mansa, gostosa e a vida parece passar lentamente por ali. Lá conhecemos o casal Francisco Adelino Filho e Maria de Lourdes Adelino, casados há 38 anos, que reside em uma casa construída em 1868 (hoje bastante reformada). Eles afirmam ter hospedado algumas vezes o famoso e polêmico frei Damião (1898-1997). Identificamo-nos e o casal também nos recebeu espontaneamente em sua residência para uma rápida entrevista. Francisco contou orgulhosamente que seu pai foi quem doou o terreno para a construção da igreja católica local, que foi fundada em 1937. Hoje, devido a problemas de saúde, o casal não consegue mais subir o Monte do “Galo”. Porém, Francisco não deixa passar a oportunidade de dizer que subiu o monte de joelhos, à época em que a subida era de barro, para pagar uma promessa à “Santa” por uma graça alcançada. Tinha ficado curado de uma “bronquite asmática”, assegura. Maria de Lourdes Adelino é devota de “Nossa Senhora das Graças”, auxiliar da pastoral da criança, catequista, ministra extraordinária da eucaristia e conhecida no povoado como uma católica fervorosa. Fiz a esse casal a mesma pergunta feita a dona “Taúta”: se corrigiria o romeiro que declarasse para eles que subiu o monte e venerou a “Santa” e o “Galo”. Responderam-me: “Não corrigiríamos o romeiro que adorou o galo, respeitaríamos a sua fé. Mas, esperaríamos que no futuro pudéssemos ter uma oportunidade de educá-lo na veneração correta”. Consultamos também o pastor batista local, Silvany da Silva, que tem um ministério na região do Seridó há quase uma década. Perguntamos se havia realmente a veneração ao “Galo” no monte e Silvany foi bastante direto: “Ninguém viaja para cá só para subir um monte e ver uma santa, isso existe em muitas outras cidades! O foco aqui é o galo! O monte é do galo! Na mente do romeiro, o referencial de milagre, bênção e promessa alcançada é mesmo o galo!” Concluímos, portanto, que a adoração ao “Galo” de fato existe, mas é clandestina e praticada pelos romeiros mais humildes. No entanto, o mais grave é que a igreja católica local não censura publicamente esse tipo de veneração. A igreja católica não apóia, mas também não censura Que tempo esse em que vivemos! No sertão nordestino estamos diante de acontecimentos inexplicáveis, ou melhor, “explicáveis” demais. É claro que, muitas vezes, a mentira foi a base do sistema político-religioso da igreja católica, infiltrada nos labirintos do Vaticano. Claro que não nos esquecemos da Inquisição, das indulgências, do apoio camuflado do papa Pio XII a Adolf Hitler e de uma enxurrada de padres pedófilos. Freqüentemente, as leis católicas até parecem proteger os crimes e regulamentar os conteúdos dos seus próprios intestinos. Os fatos reais: no topo de um monte em Carnaúba dos Dantas existe a adoração a um “Galo” em área “santificada” pela igreja católica e ela não manda retirar nem a “Santa” nem o “Galo” de lá. A igreja age como uma psicopata, nega e ignora que exista uma veneração ao “Galo”. E quando alguém confessa que adorou a ave, faz vista grossa e não corrige o ingênuo. Parece que não é necessário dar alguma racionalidade à adoração. Deixando do jeito que está, as romarias estão trazendo bons dividendos para a Igreja Católica Apostólica Romana. Ao lado da estrada, em uma das entradas da cidade, existe até uma caixa de concreto a “Nossa Senhora das Vitórias” com uma abertura onde o romeiro pode deixar a sua oferta e o seu pedido. Pela abertura dá para depositar, mas é praticamente impossível retirar alguma coisa de dentro da caixa, a não ser para quem tem a chave da sua portinha. Os moradores locais chamam-na de “caixa das almas” por poderem deixar uma oferta ou pedido em prol da alma de um ente querido. Infelizmente, a igreja da maioria parece querer o romeiro cada vez mais burro e submerso no maremoto de mentiras. Enquanto isso, o tilintar das moedas continua bem-vindo na igreja e o “Cão” (ops!), digo, o bicho no cume do monte continua agindo livremente. O “Cocoricó” versus Jesus Cristo Ah! Como a Palavra de Deus é farta no quesito de reprovação à idolatria. Qualquer evangélico que já viu a estátua do padre Cícero, em Juazeiro do Norte; a do frei Damião, em Guarabira e a do Galo, em Carnaúbas dos Dantas, faz quase imediatamente uma analogia daqueles locais com o bezerro de ouro descrito no livro do Êxodo, capítulo 32. Tememos sobre as conseqüências desses atos de idolatria, quando lemos: “Então, disse o Senhor a Moisés: Vai, desce; porque o teu povo, que fizeste sair do Egito, se corrompeu e depressa se desviou do caminho que lhe havia eu ordenado; fez para si um bezerro fundido, e o adorou, e lhe sacrificou, e diz: São estes, ó Israel, os teus deuses, que te tiraram da terra do Egito. Disse mais o Senhor a Moisés: Tenho visto este povo, e eis que é povo de dura cerviz. Agora, pois, deixa-me, para que se acenda contra eles o meu furor, e eu os consuma; e de ti farei uma grande nação” (Êxodo 32.7-10).
Esses memoriais de concreto armado são inúteis para nos salvar. “Os ídolos das nações são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca e não falam; têm olhos e não vêem; têm ouvidos e não ouvem; pois não há alento de vida em sua boca. Como eles se tornam os que os fazem, e todos os que neles confiam” (Salmos 135.15-18). O já citado pastor Silvany da Silva sentencia: “As romarias têm sido uma grande cadeia que o diabo lança sobre o povo sertanejo. O diabo tem feito do sertão nordestino um laboratório de desgraças e destruição moral, ética e espiritual. Durante anos a igreja católica tem mantido o povo oprimido e preso à miséria e à autoflagelação. Muitos sertanejos já perderam suas vidas fazendo romarias, viajando centenas de quilômetros em cima de caminhões, a pé e de joelhos (pagando alguma promessa). Outros doaram suas terras à paróquia da sua cidade. Missas, casamentos e batizados sempre são pagos pelos fiéis”. Há cerca de duzentas pessoas em Carnaúba dos Dantas que já escolheram Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador pessoal, segundo as estatísticas do próprio pastor Silvany da Silva. Não dobram mais os joelhos diante de “Santo”, “Santa”, “Galo” ou qualquer outra imagem de escultura. Pessoas que introverteram a Palavra de Deus e vivem obedecendo-a dia a dia: “Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra” (Êxodo 20.4). É minha sincera oração que este artigo possa gerar intercessores pelo mundo afora em favor desses nossos irmãos em Cristo lá da região do Seridó. Você que acabou de ler esta matéria, que tal gastar agora alguns minutos em oração, clamando ao único Deus que vê, ouve e responde nossas súplicas em prol daqueles irmãos seridoenses? Quanto aos iludidos pela igreja da maioria, é também minha oração que se libertem rapidamente desse jugo, pois essa história de “Santa” e “Galo” “não é sabedoria que desce lá do alto; antes é terrena, animal e demoníaca” (Tiago 3.15). Ao nosso Deus toda a glória e honra, amém!

Autor: (Dr. Samuel Fernandes Magalhães Costa)

UMA VIAGEM AO CALDEIRÃO DA IDOLATRIA NO SERTÃO NORDESTINO

Quem é esse homem-ídolo? Ninguém menos do que o padre Cícero Romão Batista (1844-1934), mais conhecido por estas paragens como o "Meu Padrinho Padre Cícero", carinhosamente chamado de Padim Ciço, uma das pessoas que mais marcaram a história e a vida do povo nordestino. Juazeiro do Norte: Santuário da Idolatria ao Padre Cícero
"Viveu menino pobre às margens do rio salgadinho, cresceu na ribanceira o homem santo de Cristo. Seu nome percorre veredas no sertão pernambucano, Alagoas, Paraíba, Sergipe e Bahia. O Ceará exalta o nome do seu filho mais querido. No altar dos santos divinos é um deus-menino jamais esquecido. E quem é ele? E quem é ele? É o padre Cícero Romão, do Juazeiro do Norte, meu padim, sua bênção!". (Trecho da canção "Deus Menino", Chico Silva). Localizada a cerca de 540 quilômetros ao sul de Fortaleza, Juazeiro do Norte é a segunda maior cidade do Ceará, com cerca de 250 mil habitantes. Sustenta-se do turismo religioso que atrai centenas de milhares de fiéis do "santificado" Padre Cícero. Durante algumas épocas festivas, a cidade chega a receber dois milhões de romeiros, vindos de todo o Brasil, e alguns do exterior, só para ver, fazer um pedido ou adorar esse mito nordestino. Na residência que foi do Padim Ciço, hoje transformada em Museu Padre Cícero, nossa guia turística contou-nos que o pároco costumava relatar para seus amigos mais íntimos que a cidade do Juazeiro do Norte era santa e enfeitiçada. Dizia que, caso houvesse uma guerra, um manto cobriria toda a cidade, deixando-a invisível aos olhos dos inimigos que nunca conseguiriam atacá-la. Pensei: Puxa, essa coisa de manto deixando objetos e pessoas invisíveis é típico da série Harry Potter. Diariamente, igrejas, monumentos, praças, procissões, novenas, peregrinações e missas louvam, agradam e idolatram o "Meu Padim Padre Ciço." Apesar da Igreja Católica não considerar o Padre Cícero Romão Batista um santo, ela não censura os milhões de devotos que o consideram um santo homem de Deus. Baseado nas missas que assisti, posso afirmar que a Igreja Católica em Juazeiro não apenas apóia, mas incentiva os romeiros a venerarem o Padrinho. Qualquer político que ousar dizer que o Padre Cícero não é santo, dificilmente será bem votado na região do Cariri. As romarias ao Padre Cícero são vantajosas para todos. A Igreja Católica, os empresários, os políticos e todos os setores da sociedade juazeirense são beneficiados pelo grande fluxo de dinheiro trazido pelos consumidores desse sacerdote que literalmente abarrotam as ruas e praças dessa cidade. A imagem do Padim Ciço é reverenciada e está à venda em cada esquina, seja em suvenires, fotografias, chaveiros, chapéus, esteiras, chinelos, jarros, pôsteres, cerâmicas, talhas, bolsas, broches e muitas outras bugigangas. O artesanato é uma das principais atividades do Juazeiro e também gira em torno do Padre Cícero. Encontra-se imagens do padre em miniaturas e até em tamanho natural. Elas estão em pé ao lado das portas de entrada de centenas de residências e de muitas lojas, sem mencionar as de cera no Museu Vivo. Até os telefones públicos têm um formato de um cajado com um chapéu redondo preto. Certa noite, durante o jantar, um dos gerentes do hotel nos revelou que naquele estabelecimento havia sessenta funcionários fixos e quase trinta porcento deles tinham como seu primeiro nome Cícero ou Cícera. Em Juazeiro do Norte até os telefones públicos lembram o seu "santo padre".
Também vimos algumas estátuas do Padrinho Ciço espalhadas pela cidade: no alto da Serra do Horto há uma monumental, toda em concreto, de 25 metros de altura, sendo 17 metros de estátua e 8 metros de pedestal. Na então Praça Almirante Alexandrino de Alencar, hoje Praça Padre Cícero, na região central da cidade, há uma em bronze em tamanho natural (inaugurada pelo próprio Padre Cícero em 1925).[2] Na frente da Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, onde o pároco está sepultado, há mais uma protegida por uma caixa de alvenaria com vidro na frente. No jardim diante do edifício Balcão SEBRAE há mais outra em tamanho natural...
No quesito de quantidade de monumentos a uma só pessoa, Juazeiro do Norte é a Ashgabat* brasileira e o Padre Cícero Romão Batista é o Saparmurad Niazov do Cariri. E no quesito de devoção cega ao seu líder espiritual, Juazeiro do Norte é a Teerã nordestina. Vendo a cidade entregue à idolatria, pudemos sentir um pouquinho do incômodo que o apóstolo Paulo sentiu ao visitar Atenas (Atos 17.16). As Romarias ao Juazeiro do Norte
"Do mundo inteiro vão pro Juazeiro milhares de romeiros fazer sua oração. Vão pulsar em fé e ajoelhar aos pés do Padre Cícero Romão. [...] Meu Padim Ciço, meu Padim Ciço, somos romeiros pedindo a sua bênção. Meu Padim Ciço, meu Padim Ciço, somos romeiros sofredores do sertão". (Trecho da canção "A Bênção do Padre Cícero", J. Farias e Banda e do poeta compositor João Caetano). São várias as romarias feitas a essa "Meca" nordestina durante o ano, porém o maior fluxo de romeiros concentra-se nos meses de fevereiro, setembro e novembro. A grande leva de romeiros chega a Juazeiro de ônibus ou de caminhão pau-de-arara. Os miseráveis vêm a pé mesmo, pelas estradas esburacadas, engolindo poeira e sendo escaldados pelo sol quente do sertão. Durante as romarias, os fiéis alugam "ranchos", que são pequenos quartos com banheiro em que cabem duas pequenas camas. Uma parte de uma das "salas de promessas". Devotos deixam objetos como gratidão ao Padrinho por bênçãos alcançadas.
A quase totalidade dos romeiros e dos juazeirenses é composta de um povo pobre e economicamente sofrido, mas que acredita que dias melhores virão e, baseado nessa esperança, continua vivendo. Esperam um milagre do Padrinho. Muitos deixam tudo o que lhes resta aos pés do Padre Cícero. "A Casa dos Milagres", ao lado da Igreja do Perpétuo Socorro, e as "Salas das Promessas" no Museu Padre Cícero são alguns dos pontos turísticos da cidade. Lá observei vários objetos e centenas de retratos deixados pelos devotos como agradecimento por supostas bênçãos alcançadas através do Padre Cícero Romão. Muitos foram ao Juazeiro e decidiram nunca mais retornar para suas casas. Vivem hoje amontoados em barracos nas periferias dessa cidade, mas felizes por estarem próximos do seu "santo padre". Muitos humildes retornam para seus lares famintos. Dentro de suas geladeiras quebradas encontram-se caçarolas vazias, sobre os fogões a lenha apenas panelas de feijão requentado, e seus filhos estão desnutridos. Mas no próximo semestre retornarão ao Juazeiro. São esses fiéis ingênuos que alimentam e enchem os bolsos daqueles que promovem a "indústria" de Padre Cícero. A Romaria a Nossa Senhora das Candeias "Bendita e louvada seja a luz que mais alumeia. Valei-me meu Padrinho Ciço e a Mãe de Deus das Candeias. [...] os romeiros vão chegando e é noite de lua cheia". (Trecho da canção "Bendita e Louvada Seja", Clemilda). Estivemos em Juazeiro durante as festividades e a romaria de Nossa Senhora das Candeias (também conhecida como Nossa Senhora da Purificação).
Uma mulher coloca temporariamente seu chapéu na cabeça de uma estátua do Padre Cícero. A outra coloca flores na mão da estátua.
A tradição judaica ensina que o filho varão deveria ser levado ao templo quarenta dias após o seu nascimento. Já a mãe, por ser considerada impura após o parto, tinha de passar por uma cerimônia de purificação. Nas procissões católicas, o povo leva candeias ou luzeiros ou velas acesas para supostamente iluminar esse trajeto de Maria levando Jesus ao templo. Na verdade, essa história de candeias acompanhando a procissão tem sua origem na mitologia romana, mas foi incorporada à celebração da Purificação de Maria pelo Papa Gelásio I (que foi papa de 492 a 496). A mitologia romana relata que Proserpina, filha de Ceres, foi raptada por Plutão para ser sua companheira no império dos mortos (inferno). O povo romano da Antigüidade recordava essa cena levando luzeiros para supostamente acompanhar o sofrimento da Mãe Ceres até às portas do inferno. O dia de Nossa Senhora das Candeias é apenas mais uma festividade pagã adotada pela Igreja Católica Romana. Outros chamados "dias santos" para os católicos também têm origens pagãs, a saber: "o dia de todos os santos" e o de "finados", entre outros. Mas isso é uma outra história. Voltemos ao Padre Cícero, do Juazeiro. Em se tratando do Juazeiro do Norte, independente do santo ou da santa conduzidos no andor, o grande homenageado acaba sempre sendo o "Meu Padim Padre Ciço". Aos Pés da Estátua no Alto do Horto "Olha lá, no Alto do Horto! Ele está vivo, Padim não está morto! Olha lá, no Alto do Horto! Ele está vivo, Padim não está morto! Viva meu Padim, Viva meu Padim, Ciço Romão". (Trecho da canção "Viva Meu Padim", Luiz Gonzaga). Enquanto nos aproximávamos do início da ladeira do Horto, notamos que no cume da montanha pequenos raios surgiam com certa freqüência próximos à estátua mais famosa do Padre Cícero (no Brasil, apenas a do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, e a do Frei Damião, em Guarabira, Paraíba, são mais altas do que ela). "Que coisa estranha! E nem está chovendo!", comentei com minha esposa. Ao chegarmos ao estacionamento do topo, fomos rapidamente cercados por vendedores de fogos. Observamos que o que pensávamos ser raios, eram na verdade fogos: – "O senhor tem de soltar seis fogos antes de fazer seu pedido ao santo e mais seis quando estiver indo embora", falou-me um entusiasmado vendedor enquanto nos mostrava alguns rojões de fogos. – "Não obrigado", disse rapidamente. – "Se o senhor desejar ou se tiver medo, pode comprar e eu solto os fogos pelo senhor. No momento dos estouros dos fogos o senhor pensa nos seus pedidos", disse-me um outro solícito vendedor. – "Não precisa. Não quero. Muito obrigado", repliquei enquanto subia a rampa de acesso à estátua. Algumas pessoas trajavam batinas pretas semelhantes às do Padre Cícero. Perguntei a uma delas se fazia parte de algum movimento eclesiástico ou de alguma seita. Ela me olhou estranhamente e disse que estava apenas pagando promessa. Muitas barracas vendendo vários suvenires estavam nos dois lados da rampa que ia lotando de romeiros à medida que progredíamos. Em muitas delas eram vendidos CDs e fitas cassetes piratas com músicas de romarias e benditos, além de blusas e artesanato. O som alto das músicas, os gritos dos vendedores, o cheiro forte de frituras e rapaduras permeavam a rampa e davam um toque bem regional. Aos pés da estátua do Padre Cícero. Fiéis dando três voltinhas ao redor do cajado da estátua.
Subimos os degraus e nos posicionamos aos pés da estátua que estava lotada de romeiros. Pessoas demonstravam sua devoção: algumas senhoras se esfregavam com as costas na parte inferior da estátua pedindo que o Padim curasse suas dores lombares. Outras suspendiam seus bebês em direção à estátua e os forçavam para que a beijassem. Muitos escreviam seus nomes na estátua enquanto choravam. Alguns rezavam ou cantavam cânticos de louvores ao Padrinho. Entre o cajado e a batina do Padre há um espaço que dá para passar uma pessoa de cada vez. O romeiro emocionado dá três voltas em torno do cajado enquanto faz seu pedido (havia uma fila enorme esperando para realizar esse ritual). Imaginei Moisés retornando do Monte Sinai com as tábuas dos Dez Mandamentos e vendo o povo adorando um bezerro de ouro. Aquela multidão em Juazeiro e aquele povo de Israel no deserto estavam tão próximos de Deus e simultaneamente tão longe dEle. Tinham a Luz ao seu alcance, mas optaram por rituais das trevas. Ali, aos pés da estátua não me contive e chorei discretamente para que ninguém percebesse. Enquanto isso, alguns metros adiante, havia um palanque armado onde um sacerdote católico com chapéu de palha (para se identificar melhor com os romeiros) fazia algumas colocações absurdas comparando o Padre Ciço com Jesus Cristo. Dei a volta por trás do palanque e adentrei o Museu Vivo onde existem algumas imagens do Padim em cera, em tamanho natural, retratando cenas do seu cotidiano. Uma sala dentro do Museu Vivo me chamou mais a atenção. Lá havia aproximadamente oito filtros de barro, com alturas que variavam de um metro a um metro e meio, e várias canecas de alumínio penduradas em um fio no teto. Muitos romeiros acreditam que a água é milagrosa e, sem qualquer receio de contrair alguma doença, pegam as canecas, enchem-nas com água do filtro, bebem e se banham com roupa e tudo. Alguns, mais criteriosos passam água nas regiões do corpo que necessitam de cura. Ao meu lado, um senhor idoso e de aparência bem humilde derramou um pouco d’água dentro da calça enquanto murmurava baixinho: "É minha próstata, Padim! É minha próstata, Padim!" Falei para ele que quando retornasse para sua cidade deveria se consultar com um bom urologista. Ele apenas me olhou abusado. Minha esposa estava ficando bastante enauseada com tudo que viu, ouviu e cheirou. Por isso, resolvemos descer o morro e retornamos à cidade. O Padre Cícero e o Milagre do Juazeiro "Meu Padim Cícero, do Juazeiro, tão milagreiro, sou romeiro do sertão. Meu Padim Cícero, do Juazeiro, tão milagreiro, a minha grande devoção". (Trecho da canção "Canção de Fé", José Idelfino). Mas, qual foi o fato que transformou um simples pároco de um pequeno povoado do interior do Nordeste em uma celebridade internacional? O "milagre" que transformou esse padre, natural do Crato, em um dos brasileiros mais biografados e comentados, aconteceu quando o mesmo tinha 45 anos. Havia uma beata juazeirense, analfabeta e costureira de profissão, chamada Maria Madalena do Espírito Santo de Araújo,[3] mas conhecida como Maria de Araújo. "Foi acometida de meningite infantil (espasmo), sofria de ataques de epilepsia, e levava uma vida de jejum, oração e trabalho humilde. Havendo bem cedo perdido os pais, foi morar ainda menina, na casa do Padre Cícero".[4] Em uma manhã de março de 1889, quando o Padre Cícero Romão Batista pôs a hóstia na sua boca, Maria de Araújo teve um transe tão intenso que sangrou a língua e a hóstia ficou avermelhada de sangue. Esse fato se repetiu outras vezes no período de dois anos e a população local começou a espalhar a notícia de que se tratava do "derramamento do sangue de Jesus", portanto, de um milagre. O próprio Padre Cícero comentou acerca do que ocorreu naquele dia: "Quando dei à beata Maria de Araújo a Sagrada Forma, logo que a depositei na boca, imediatamente transformou-se em porção de sangue, que uma parte engoliu, servindo-lhe de comunhão, e outra correu pela toalha, caindo algum no chão; eu não esperava e, vexado para continuar com as confissões interrompidas que eram muitas ainda, não prestei atenção e por isso não apreendi o fato na ocasião em que se deu; porém, depois que depositei a âmbula no sacrário e vou descendo, ela vem entender-se comigo, cheia de aflição e vexame de morte, trazendo a toalha dobrada, para que não vissem, e levantava a mão esquerda, onde nas costas havia caído um pouco e corria um fio pelo braço, e ela com temor de tocar com a outra mão naquele sangue, como certa de que era a mesma hóstia, conservava um certo equilíbrio para não gotejar sangue no chão". Dentro do Museu Vivo, as estátuas em cera do Padre Cícero e da beata Maria de Araújo.
Na verdade, a beata pode ter mordido consciente ou inconscientemente a língua ou a mucosa oral e provocado o sangramento. Ou, quem sabe, ter tido uma crise convulsiva (bem provável, uma vez que tinha epilepsia) e mordido a língua? Ou uma discreta hemorragia digestiva? É prudente deixar registrado que em outras cidades nordestinas, envolvendo personagens diferentes dos do Juazeiro, aconteceram fatos semelhantes onde a hóstia se transformou em sangue.[6] Graças a Deus, esses outros padres não tornaram-se também milagreiros e nem objetos de adoração. Fico meditando... todo o Novo Testamento insiste em afirmar que Jesus Cristo ofereceu o Seu corpo como sacrifício e derramou o Seu sangue remissor apenas uma vez e para sempre (veja Hebreus, capítulos 9 e 10). Essa história de "vários derramamentos do sangue de Jesus Cristo" através da beata Maria de Araújo está diametralmente oposta às Escrituras Sagradas. Ou os devotos do Padre Cícero estão enganados, ou a Bíblia está errada. Bem, o fato é que o reboliço foi tanto que o pequeno povoado transformou-se em lugar de romaria. O bispo cearense Dom Joaquim José Vieira e até o Papa Leão XIII, em Roma, tiveram de investigar o fenômeno do Juazeiro. O Padrinho chegou a ser recebido pelo papa no Vaticano. Outros padres foram enviados ao Juazeiro e entregaram a hóstia a Maria de Araújo e nada de anormal ocorreu. O bispo cearense e o papa não reconheceram o milagre e o Padre Cícero Romão foi punido com uma suspensão. Assim, o Padim Ciço tornou-se um santo milagreiro. Apesar de proibido de celebrar missas, sua residência passou a ser freqüentada por romeiros e por várias autoridades. Aproveitando-se do seu prestígio, aliou-se aos grandes fazendeiros cearenses e, apoiado por eles, tornou-se prefeito do Juazeiro em 1911 e, posteriormente, vice-presidente do Ceará. As Atuações Ambíguas do Padre Cícero Romão "Foi a ele que muitas vezes, Lampião se ajoelhou, aos seus pés contou histórias, pediu perdão e chorou. Bendito seja o romeiro que na fé e na oração, exalta o santo padroeiro no samba, no coco, no xote e no baião". (Trecho da canção "Deus Menino", Chico Silva). a) Amizade Com o Coronelismo O Padim Ciço realizou boas ações para a população menos favorecida. Organizou mutirões e conseguiu construir pequenos postos de saúde, escolas e orfanatos, além de reformar e construir algumas igrejas católicas. Por outro lado, ele era amigo do peito de vários latifundiários da região, conhecidos como "os coronéis". Esses senhores ilustres eram opressores dos pobres, marginalizavam os sertanejos, excluindo-os do direito à saúde, aos alimentos e até à vida. Pasme, o Padim Ciço pertencia a essa espécie de liga de coronéis do Ceará e a defendia . O Padim chegou a estimular seus devotos a serem mão-de-obra barata na construção de açudes e na colheita de algodão nas terras da família Acioly, a mais poderosa do Ceará. O "coronelismo" era a política exercida pelos latifundiários com prestígio político local, que tinham notável poder, mandavam na região e nos seus eleitores, que eram tratados como gado. Suas zonas eleitorais eram conhecidas como "currais eleitorais" e ai do eleitor que ousasse votar contra o candidato do "coronel". Quando Hermes da Fonseca, então presidente da República, enviou interventores ao Ceará e depôs as oligarquias repressoras lideradas por esses coronéis, o Padre Cícero ficou irado. Rapidamente o clero católico promoveu e assinou o chamado "pacto dos coronéis" com dezessete dos principais chefes políticos da região do Cariri, objetivando assegurar a permanência da família Acioly no governo cearense. E mais: esses fazendeiros armaram centenas de sertanejos e os enviaram à capital, porém foram detidos pelas forças federais. Esse episódio ficou conhecido na história como a "Revolta do Juazeiro". O Padim Ciço só aquietou-se quando a velha oligarquia da família Acioly foi restabelecida ao poder. O Padre Cícero Romão foi, sem dúvida, um exemplo de fidelidade às oligarquias poderosas do Ceará. b) Negociata com Lampião
Enquanto o Padim Ciço destacava-se no Ceará com sua influência político-religiosa, o cangaceiro Lampião e seu bando amedrontavam os poderosos dos sertões nordestinos. O sertanejo pernambucano Virgulino Ferreira da Silva (1897-1938), vulgo Lampião, era também um personagem controvertido. Para muitos, era visto como um bandido que incendiava vilarejos, torturava, estuprava e matava pessoas. Para outros, era um justiceiro que tirava dos ricos para doar aos flagelados da seca. Em 1931, o jornal The New York Times chegou a chamá-lo de Robin Hood do sertão. O "Rei do Cangaço" era devoto do Padre Cícero, do Juazeiro, e às vezes usava uma foto desse sacerdote no seu peito. A religiosidade de Lampião era alicerçada nas orações de corpo-fechado, nos santos da Igreja Católica e no Padre Cícero. No livro, Lampião, o Rei dos Cangaceiros, Chandler relata "que a vida da mulher de um policial de Jatobá, em Pernambuco, foi salva quando um velho pegou um retrato do padre do Juazeiro e o colocou entre a faca soerguida de Lampião e o seio da mulher. Lampião levava sempre consigo seus livrinhos de orações, guardava santinhos em sua carteira de dinheiro, e pregava retratos do Padre Cícero em sua roupa".[8] Isso mostra o respeito e a devoção que Lampião nutria por esse padre. Em companhia do seu bando, Lampião costumava recitar algumas orações para, supostamente, fechar o corpo. O escritor Piragibe de Lucena, no seu livro Lampião, Lendas e Fatos, descreve algumas dessas orações. Leia um pequeno trecho de uma delas e analise a importância do Padre Cícero na vida desse cangaceiro: "Justo juiz de Nazaré, filho da Virgem Maria, que em Belém fostes nascido entre as idolatrias. Eu vos peço senhor, pelo vosso sexto dia, e pelo amor do meu padrinho Pe. Cícero que meu corpo não seja preso, nem ferido, nem morto, nem nas mãos da justiça em volta. Pax tecum, pax tecum, pax tecum. Cristo assim disse: aos seus inimigos, se vierem para prender-me terão olhos, não me verão, terão ouvidos, não me ouvirão. Com as armas de São Jorge, serei armado. Com a espada de Abraão, serei coberto. Com o leite da Virgem Maria, serei borrifado. Na arca de Noé, serei arrecadado. Com a chave de São Pedro serei fechado, onde não me possam vê, nem ferir, nem matar, nem sangue do meu corpo tirar. O Padre Cícero articulou para que o cangaceiro Lampião recebesse a patente de capitão dos Batalhões Patrióticos. Por volta de 1926, Padre Ciço já era mais político do que religioso, sendo anti-comunista de carteirinha. Aproveitando a fidelidade do bandoleiro à sua pessoa, o pároco juntou-se com seus amigos fazendeiros e doaram armas e munição para o cangaceiro e seu bando atacarem "o revoltoso" Luiz Carlos Prestes e sua famosa "Coluna". Padim Ciço também articulou para que o agrônomo Pedro de Albuquerque Uchôa, que era inspetor agrícola do Ministério da Agricultura, entregasse a Lampião a patente de Capitão das Forças Patrióticas.[10],[11] Lampião não atacou a "Coluna Prestes", preferiu manter suas erranças pela caatinga. Dizem que essa foi a única vez que Lampião desobedeceu ao "santo" Padre do Juazeiro. Uma coisa é certa: Lampião ostentou com muito orgulho o título de Capitão enquanto viveu. O curioso é que (dizem que a pedido do próprio Padim Ciço) Lampião nunca atacou os coiteiros ricos, os fazendeiros safados e os políticos corruptos do Ceará. Isso é que é amizade fiel! Apesar da amizade do Padim Ciço com o coronelismo cearense e suas negociatas com Lampião estarem registradas em vários livros, biografias, documentários, teses e filmes, existem alguns devotos do Padrinho que negam que isso tenha acontecido. Movidos mais pela emoção do que pela razão, declaram que essas atuações ambíguas do Padre Cícero não passam de calúnias. Convenhamos: sob o ponto de vista mundano, isso é que é saber viver! O Padim Ciço vivia de mãos dadas com Satanás e pretendia morrer nos braços de Jesus! Como se diz por estas bandas sertanejas: Eita Cabra esperto! Padim Padre Ciço: Um Ídolo do Lar "[...] não vos desvieis de seguir o Senhor, mas servi ao Senhor de todo o vosso coração. Não vos desvieis; pois seguiríeis coisas vãs, que nada aproveitam e tampouco vos podem livrar, porque vaidade são" (1 Samuel 12.20-21). Ser contra a idolatria é uma unanimidade não apenas entre as igrejas cristãs genuínas, mas também ao longo de toda a Bíblia Sagrada. Todas as denominações tradicionalmente evangélicas são contra a idolatria. O judaísmo também não suporta a idolatria. Já o catolicismo prega a não-adoração a ídolos e imagens, mas na prática o que se vê é um descompasso entre o que se faz e o que se fala. Infelizmente, não é preciso ir ao Juazeiro do Norte para se constatar que a igreja do papado é verdadeiramente idólatra. Fiéis cantam e choram ao redor de uma das camas usadas pelo Padim Ciço.
O Padim Ciço, do Juazeiro do Norte, é um ídolo nos lares de milhões de católicos. Em algumas casas, ele está presente no móvel da sala-de-estar, na penteadeira do quarto, na parede do corredor e em cima do refrigerador da cozinha. Para sermos mais honestos, o Padim Ciço, o "Santo Antônio", o "São Jorge", a "Ave Maria" e o Frei Damião (veja o artigo Misericórdia! Querem Canonizar o Frei Damião) são parte do imenso esquadrão de supostas divindades católicas presentes em milhões de residências brasileiras. "Ídolos do lar" são coisas antigas e são mencionados logo no primeiro livro da Bíblia (Gênesis 31.19 e 30). Eles eram de vários tamanhos e alguns deles, quando colocados deitados na cama e cobertos por um manto, passavam por uma pessoa dormindo (1 Samuel 19.13). A esses ídolos, chamados em hebraico de terafins, confiava-se a guarda das casas e dos bens. Acreditar que um "ídolo do lar" possa proteger sua família é muita presunção. Veja a história do rei Saul: Feitiçaria e idolatria foram as gotas d’água para que Deus rejeitasse o rei Saul. O profeta Samuel sentenciou ao monarca: "Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e a obstinação é como a idolatria e culto a ídolos do lar. Visto que rejeitaste a palavra do SENHOR, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei" (1 Samuel 15.23). Na Edição Revista e Corrigida, lê-se o nome "porfia", no lugar de "obstinação". Na Bíblia de Jerusalém (católica), "presunção" substitui "obstinação". Parafraseando esse texto, diria: a obstinação, a porfia, o orgulho, a presunção, a teima, a cabeça-dura é como a idolatria e o culto a ídolos do lar. A idolatria está incluída entre as obras da carne e não no fruto do Espírito (Gálatas 5.20). No Velho Testamento, o primeiro e o segundo mandamentos são um "não" à idolatria (Êxodo 20.3-6). E mais: o idólatra deveria ser morto (Deuteronômio 17.1-7). Já no Novo Testamento, a punição é a morte eterna: "Quanto, porém, [...] aos idólatras [...] a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte" (Apocalipse 21.8). Entre aqueles que ficarão fora da Cidade Celestial estão os idólatras (Apocalipse 22.15). Sem dúvida, ao nos despedirmos do Juazeiro do Norte, vendo a cidade se distanciando pelo retrovisor, pudemos entender que a idolatria é uma cegueira espiritual, mas sobretudo uma tentação bastante sedutora. A Bíblia nos alerta a resistir ao Diabo, mas também a fugir dessa tentação: "Portanto, meus amados, fugi da idolatria" (1 Coríntios 10.14). Concluímos nossa visita ao Cariri cearense com os olhos marejados e uma mistura de sentimentos paradoxais: tristeza e alegria. A insatisfação é a imagem dos milhões de católicos que ainda precisam ser alcançados pela única Verdade, Jesus Cristo. A satisfação é que vimos templos de algumas denominações evangélicas nessa cidade. Esses irmãos em Cristo são como sal em uma terra espiritualmente insossa: levam a única Luz do mundo a um povo submerso nas trevas espirituais. Irmãos, assimilemos o mesmo consolo e a mesma recomendação contida no final da Primeira Epístola de João: "Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. Filhinhos, guardai-vos dos ídolos" (1 João 5.20-21).

(Dr. Autoria ded: Samuel Fernandes Magalhães Costa - http://www.chamada.com.br)

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

MULHERES GIRAFAS DA THAILANDIA

Mulheres-girafa" é o apelido que se dá às mulheres de uma região da Tailândia, que usam uma espiral de cobre em volta do pescoço. Esse costume faz o pescoço delas parecer incrivelmente longo, como se fosse um pescoção de girafa. Elas pertencem à tribo dos Karen Padaung, uma das tribos que, há 60 anos, fugiram da brutalidade do regime militar na vizinha Myanmar (Birmânia), procurando refúgio nas montanhas do noroeste tailândes. Vivendo em aldeias sem electricidade e água corrente, os Karen Padaung dedicam-se à tecelagem, cultivam arroz, recolhem mel e vivem do turismo, preservando, na medida do possível, seu modo de vida milenar. Enquanto os homens estão no campo, as "mulheres-girafa" e suas crianças vendem lembranças regionais aos turistas e deixam-se fotografar. Foi assim que se transformaram numa atração turística do local.
A tradição do pescoço comprido começa quando as meninas ainda pequenas, por volta dos cinco anos, ganham o primeiro aro para ornamentar o pescoço. Depois, à medida quew vão crescendo, ganham outro e mais outro até o pescoço ficar com aparência de bem comprido. Dizem até que elas os utilizam para sempre, porque se resolverem tirar o pescoco desaba e elas morrem, mas isso é conversa fiada. Pois, na eventualidade de tirarem os anéis, obviamente não morrem, apenas abandonam o seu ganha-pão, retomando sua liberdade de movimentos. Os aros metálicos em torno do pescoço delas apenas o distorcem, sem encompridá-lo como muitos imaginam. A explicação é que Os anéis exercem pressão nos músculos trapézios e estes se ocultam por baixo da clavícula. Além disso, as vértebras do pescoço, devido à pressão constante, assumem ângulos de 45º, o que resulta num alongamento apenas aparente do pescoço.
Pelos registros do Guiness Book, a mulher que já teve o pescoco mais comprido foi Karen Nighten, que viveu entre 1889-1969 nessa região. Ela teria sido a mulher-girafa pioneira, pois dizia-se na época que a mulher que tem pescoco comprido, fica mais bonita. O pescoco de Karen media aparentemente 51 centimetros.