"REPARTIR COM OS DEMAIS POVOS O QUE TEMOS RECEBIDO COM FARTURA É O QUE DEUS ESPERA DE CADA UM, ESPECIALMENTE SE CONSIDERARMOS QUE ELE NOS ABENÇOA PARA QUE OUTROS TAMBÉM SEJAM ABENÇOADOS POR MEIO DAS BÊNÇÃOS QUE TEMOS ALCANÇADOS."

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

POVOS DO IMPÉRIO WOLOF

O Império Wolof ou Império Jolof (do francês: Diolof ou djolof) foi um estado no Oeste Africano que governaram partes de Senegal e Gâmbia no período de 1360-1890.
Estados que constituíam o Império Wolof.

Origens

Conta-se tradicionalmente que o fundador do Estado e posteriormente império foi Ndyadyane Ndyaye que viveu no século 13. Os alicerces do império foram estabelecidas pela associação voluntária de vários pequenos estados que começam com Waalo no norte. Antes da formação do império, Waalo foi dividido em aldeias governadas por reis com o título Serer Laman. Uma disputa sobre a madeira perto de um lago proeminente quase levou ao derramamento de sangue entre os governantes, mas foi interrompido pelo misterioso aparecimento de um estranho do lago. O estranho dividiu a madeira de forma justa e desapareceu, deixando o povo em assombro. Os Wolofs, então, fingiram uma disputa e seqüestraram o desconhecido quando ele voltou. Ofereceram-lhe o reinado de suas terras e convenceu-o a tornar-se mortal, oferecendo-lhe uma bela mulher para casar. Quando esses eventos foram relatados ao governante do Sine, também um grande mágico, é relatado que ele exclamou "Ndyadyane Ndyaye" na perplexidade. O governador do Sine sugeriu, então, todos os governantes entre o rio Senegal e o rio Gâmbia reconhecer voluntariamente a este homem como rei, o que fizeram.

História


O novo estado de djolof, tornou-se vassalo do Império do Mali por muito tempo. Djolof manteve-se dentro dessa esfera de influência do império até a última metade do século 14. Durante a disputa da sucessão em 1360 entre dois clãs rivais dentro linhagem real do Império do Mali, os wolof tornaram-se definitivamente independente. Uma análise mais cuidadosa das estruturas políticas e sociais dos Wolofs revelam que pelo menos algumas das suas instituições, pode ter sido emprestado diretamente ou desenvolvidas ao lado dos seus maiores antecessores, o Império Mali.

Sociedade


Os Portuguêses tiveram contato com o Império Jolof entre 1444 e 1510, relatando detalhadamente o sistema política muito avançado dos Wolofs. Os wolof estavam comandados por um sistema de castas (sistemas tradicionais, hereditários ou sociais de estratificação), que ainda subsiste nos nossos dias, embora com menos rigor. Nobres, camponeses e burgueses, artesãos e escravos formavam a pirâmide social deste grupo. Portanto, é o homem que trabalha nos campos enquanto que a mulher domina os trabalhos domésticos. A nobreza Wolof era nominalmente muçulmana. Mas o Islã não conseguiu penetrar completamente sociedade wolof, até por volta do século 19.

Mulheres

As mulheres eram influentes no governo. O Linger ou Rainha Mãe era a cabeça de todas as mulheres wolof e muito influente na política estadual. Ela possuía um número de aldeias e fazendas de cultivo que pagavam tributos diretamente a ela. Havia também outros chefes do sexo feminino, cuja principal tarefa era julgar os casos envolvendo mulheres. No estado Walo mais ao norte do império, as mulheres podiam aspirar ao cargo de Bur e governar o Estado.

Organização política

O Império djolof foi organizado em cinco reinos costeiros de norte a sul, que incluía Waalo, Kayor, baol, Sine e Saloum. Todos estes estados foram afluente do litoral do estado de djolof. O governador de djolof era conhecido como o burba Jolof, um título diferente de todos os outros, e governou a capital de Linguère. Cada estado Wolof era governado por sua própria régua nomeados de entre os descendentes do fundador do Estado. governadores de Estado foram escolhidos por seus nobres respectivos, enquanto o burba Jolof foi escolhido por um colégio de eleitores que incluía também os governadores dos cinco reinos. Não foi o de Bur Waalo, a Damel de Kayor, o Teny de baol, bem como as duas Lamans Serer dos estados e do Sine Saloum. Cada governante tinha autonomia prático, mas esperava-se a cooperar com a burba Jolof em matéria de defesa, comércio e prestação de receitas imperiais. Uma vez nomeado, titulares de cargos passaram por rituais elaborados tanto para se familiarizarem com as suas novas funções e elevá-los a um status divino. A partir de então, eles eram esperados para levar para a grandeza de seus estados ou o risco de ser declarada desfavorecidas, pelos deuses e de ser deposto. As tensões desta estrutura política resultou em um governo autocrático, onde os exércitos muito pessoal e riqueza, muitas vezes substituído valores constitucionais.

Contato com a Europa

Depois de um início inicialmente hostil, as relações comerciais pacíficas foram estabelecidas entre o Império djolof e o reino de Portugal. Neste momento a Wolof estavam no auge de seu poder e os burba Jolof havia estendido seu poder sobre os estados Malinka, na margem norte da Gâmbia, incluindo Nyumi, Badibu, Nyani e Wuli. Em 1480, o príncipe Bemoi estava governando o império em nome de seu irmão Burba Birao. Tentados pelo comércio Português, mudaram a sede do governo para o litoral para aproveitar as novas oportunidades econômicas. Outros príncipes, em oposição a esta política, depuseram e assassinaram burba Jolof em 1489. Prince Bemoi escapou e refugiou-se em Lisboa. Lá trocou presentes com o Rei João II, e foi batizado. Confrontado com a possibilidade de colocar um aliado cristão sobre o trono, João II enviou uma força expedicionária sob um comandante Português e o príncipe de volta ao djolof. O objetivo era colocar Bemoi no trono em um forte na foz do rio Senegal. O objetivo não foi alcançado.

Período tardio

Apesar das brigas internas, o Império djolof permaneceu uma força a ser enfrentada na região. No início do século 16, era capaz de mobilizar 100.000 homens na infantaria e 10.000 na cavalaria. Mas as sementes da destruição do império já havia sido semeadas pelas perspectivas do comércio atlântico. Praticamente tudo o que tinha dado origem à grande Império djolof tinha acabado. Problemas com os governantes dos estados vassalos e forças externas, como a dissolução da Império Mali. Em 1513, Dengella Koli levou uma forte força de fulas e mandingas em Fuuta Toro exigindo dos Wolofs a criação de sua própria dinastia. Koli era filho de um rebelde sem êxito contra o Império Songhai e pode ter decidido agir contra os wolof como uma alternativa para combater os Songhai ou mandingas. Em 1549, o estado Kayor rompeu com êxito o Império djolof. Ele derrotou seu suserano na Batalha de Dinka. A batalha causou um efeito cascata, resultando em outros estados deixando o império. Em 1600, o Império djolof era apenas um estado entre os vários estados independentes Wolof.

Língua wolof

Uólofe, em inglês Wolof, é uma língua falada na África Ocidental, no Senegal, em Gâmbia e na Mauritânia.

O termo Wolof pode se referir também à etnia e a coisas referentes à cultura e às tradições dessa etnia. Como apoio a uma pronúncia, no passado, os franceses escreviam “Ouolof" e os ingleses "Wollof", havendo também os termos "Volof" e "Olof".

A língua ulofe ou wolof, também chamado jalofo, é falada por 80% da população do Senegal. Em Casamança e no oeste de Senegal, utiliza-se o wolof junto com o mandinga e o diola.

Os wolof dedicam-se basicamente à agricultura. Emigraram para o centro do Senegal durante os séculos XII e XV, enquanto se constituía o Império Diola.


Os Wolof são a maioria na zona norte do Senegal, representam a etnia maioritária e 45% da população do Senegal considera-se integrante da mesma. Na Gâmbia são uma minoria, representando apenas 15% do total da população, apesar de serem a maioria na capital do país e de terem uma considerável influência. Na Mauritânia representam só 7% da população.

Fontes: Wikipédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante, faça-o aquí.