"REPARTIR COM OS DEMAIS POVOS O QUE TEMOS RECEBIDO COM FARTURA É O QUE DEUS ESPERA DE CADA UM, ESPECIALMENTE SE CONSIDERARMOS QUE ELE NOS ABENÇOA PARA QUE OUTROS TAMBÉM SEJAM ABENÇOADOS POR MEIO DAS BÊNÇÃOS QUE TEMOS ALCANÇADOS."

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

KOROWAI, O POVO QUE MORA NA COPA DAS ÁRVORES

 

Tribo da Papua, na Indonésia, não vive no chão: eles constroem casas em árvores de mais de 30 metros e passam a vida inteira lá em cima

             

Editora Globo
Tá vendo aquele pontinho bege lá em cima da árvore? Então, essa é a casa deles.
 

Se você sofre de vertigem, agradeça por não ser um Korowai. Casa na árvore é coisa de gente grande pra eles – e pode ser a diferença entre uma vida tranquila e uma morte certeira. Morar na copa das árvores, além de exigir muita coragem, é pra eles uma questão de sobrevivência, tradição e status.

Os Korowai são naturais da Papua, província da Indonésia que representa a parte ocidental da Nova Guiné. O primeiro contato com “humanos de calça” foi só em 1974, fato que explica o estilo de vida simples e as técnicas rudimentares – ainda que extremamente complexas – empregadas por ele na hora de construir a morada. A coisa toda funciona assim: uma família precisa de uma casa e os vizinhos vão lá ajudar. Eles escolhem uma árvore que pareça boa e podam sua copa – é lá que a casa vai ficar. Cortam os galhos mais sobressalentes para que ela não fique muito suscetível às ventanias e fazem o chão com galhos também. Teto e paredes são feitos de ráfia, nome da fibra de um dos tipos de palmeiras.

As casas costumam ficar a 10 metros de altura, mas algumas, como a do vídeo abaixo, ficam a 35 metros do chão. São quatro os principais motivos para essa política de habitação pouco usual: por se tratar de uma floresta tropical, as inundações são constantes e a elevação se torna obrigatória. A vários metros do chão, os mosquitos incomodam menos. Tradicionalmente, não estar no lugar que os inimigos esperavam era uma ótima estratégia de defesa e ataque. Juntando tudo isso, quanto mais alta a casa, mais status a família tem.
Editora Globo
Meninos escalam a longa escada para conhecer a nova casa.
 

As casas abrigam até 12 pessoas e duram 5 anos. Um detalhe curioso é a organização para subir nas casas. Lá, a ordem é inversa: damas depois dos homens. Mas não se trata de uma regra machista, pelo contrário – a medida é tomada para que nenhum homem possa observar as vergonhas das mulheres enquanto elas sobem.

Confira essa reportagem da BBC,  que traz belíssimas imagens do processo coletivo de construção das casas.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante, faça-o aquí.